sexta-feira, 11 de abril de 2014

CEMIG/Light pagou 166% a mais por patrimônio da Investminas, que pagou R$ 4,3mi ao doleiro Alberto Youssef.


Situação política de Aécio Neves (PSDB-MG) fica mais complicada.

A elo de ligação entre um negócio da CEMIG e um pagamento ao doleiro Alberto Youssef é mais suspeito do que imaginávamos.

A CEMIG tinha 49% da empresa Guanhães Energia e a Investminas tinha 51% da Ganhães Energia.

Metade para cada, na prática. O patrimônio total da Guanhães era R$ 19,6 milhões no fim de 2011 (e R$ 20,3 milhões no final de 2012). Números oficiais do balanço da empresa.

Vamos considerar o patrimônio valendo R$ 10 milhões para cada sócio em números redondos, já que não sabemos o valor exato em agosto de 2012.

Em 11-07-2012 a CEMIG autoriza sua controlada LIGHT (distribuidora de eletricidade no RJ) a comprar os 51% da Investminas.

Em 28-08-2012 a LIGHT anuncia a compra dos 51% da Guanhães, pagando R$ 26,6 milhões pelo negócio. O valor é cerca 166% superior ao patrimônio avaliado no balanço da empresa.

De acordo com o balanço o valor destes 51% eram próximos a R$ 10 milhões, portanto a Investminas fez um negócio da China, ganhando cerca R$ 16,6 milhões de lucro.

Três semanas depois, em 19-09-2012, a Investminas depositou R$ 4,3 milhões na conta da MO Consultoria – empresa de fachada usada pelo doleiro Youssef, segundo as palavras da revista Época.

Está explicado porque o senador Aécio Neves já pediu no STF Habeas Corpus ou Mandato de Segurança, não sei ao certo, para impedir a CPI de investigar a CEMIG.
 
C/ blogs

sábado, 5 de abril de 2014

Produção da Petrobras no pré-sal cresce 7,5% em fevereiro.


A produção média mensal de petróleo dos campos localizados no pré-sal bateu novo recorde em fevereiro, com crescimento de 7,5% acima do recorde anterior de janeiro.

Fevereiro: 385 mil bopd
Janeiro: 358 mil bopd

É uma ótima notícia para o povo brasileiro, mas é uma ducha de água fria nas pretensões politiqueiras e entreguistas de Aécio Neves (PSDB-MG) e Eduardo Campos (PSB-PE).

O sucesso da Petrobras complica a vida dos pré-candidatos vendilhões, interessados em criar um CPI anti-Petrobras que seria usada pelos que querem desviar para bolsos estrangeiros a riqueza do pré-sal.

O recorde diário de extração do pré-sal, com 412 mil bopd, também foi batido no dia 27.

Mesmo com paradas de produção temporárias em algumas plataformas para manutenção planejada ou corretiva, a produção total da Petrobras de petróleo e gás, incluindo o pós-sal e a operada para parceiros cresceu 1,5% sobre o mês anterior, atingindo 2 milhões 476 mil boed.

Outro recorde foi a redução do tempo para construção de poços no pré-sal para 109 dias. O melhor desempenho anterior era 135 dias para perfuração e completação.

A produção total de gás natural cresceu 3,1% em relação a janeiro (volume de 72,3 milhões de m³/d).

O crescimento da produção previsto ao longo de 2014 é no intervalo de 6,5% a 8,5%, conforme o Plano de Negócios e Gestão 2014-2018.

Da web

quinta-feira, 13 de março de 2014

Incompetência tucana - Falta água em SP: Sistema Cantareira já entrou em colapso

Um trabalho corretíssimo dos repórteres Fábio Leite e Ricardo Brant que mostra aquilo que há dias este Tijolaço afirma: o sistema Cantareira não pode entrar em colapso, ele já está em colapso irreversível. Seus principais reservatórios, o Jaguari-Jacareí – 82% da capacidade total, tinham ontem 9,92% de água. Hoje cedo eram 9,73%. Amanhã, 9,5%. Não é adivinhação, são os exatos 1,5 bilhão de litros de déficit entre o que entra e o que sai deles. Um pouco mais, um pouco menos, graças á chuva benfazeja que vem caindo sobre São Paulo.


Mas que não sustentam nem mesmo o consumo diário.

Fábio e Ricardo revelam que Geraldo Alckmin não vai reconhecer o óbvio: que a a água precisa ser minimamente racionada para que o abastecimento de São Paulo não fique irremediavelmente comprometido.





Principais represas do Cantareira ficam com menos de 10% de sua capacidade.

Ele sabe que o Cantareira, como sistema, não tem mais que um mês ou poucos dias mais que isso – salvo por chuvas torrenciais, porque não bastam nem chuvas fortes – e subscreveu um plano completamente insano de “saída” desta situação que, nos seus cálculos, vai evitar o desgaste eleitoral do racionamento.

Porque com 5% de água Cantareira já não será um sistema, com capacidade de transferir água e otimizar seu aproveitamento.

E este limite está perigosamente próximo nas maiores barragens. Exatos 38,2 bilhões de litros, ou 25 dias de consumo em ritmo atual.

Daí em diante, Jaguari-Jacareí param de mandar água para os demais reservatórios, que têm mais 50 bilhões de litros de água útil, ou pouco menos, porque a represa “do meio”, Cachoeira, não pode ser usada até seu limite, porque a ela cabe transferir, apenas por gravidade, a água que um imenso conjunto de bombas de sucção, que custaram R$ 80 milhões, tire água “morta” do Jaguari-Jacareí ( 239 bilhões de litros de água e lama, dos quais talvez menos da metade consiga ser bombeada, porque grande parte vai ficar presa em pequenas lagos, pela extensão do reservatório) e, sobretudo, do Atibainha, que é um funil estreito, com 25 metros de profundidade abaixo do nível mínimo, do qual podem sair cerca de seis metros de nível até atingir a saída de água para o Rio Piracicaba, alimentado também pelo Jaguari.

Com esta água, no limite, Alckmin foi convencido de que chega até as eleições.

Pode mesmo chegar, no limite, se o período de seca não for padrasto. Como pode não chegar e lançar a maior cidade do continente e centro da economia brasileira num completo caos.

Uma coisa ou outra com consequências estruturais terríveis para o Cantareira, desastre ambiental em toda a extensão da bacia do Piracicaba e risco elevadíssimo de contaminação, seja pela formação de bolsões d´água parada no Jaguari-Jacareí, seja porque o fundo do Atibainha é um enigma.

Depois? Depois é depois, como no 1 real=1 dólar de FHC

Mesmo assim, com este extenso material e dados que indicam toda a seriedade da situação, o Estadão teu apenas uma chamada microscópica na primeira página.

A Folha, que deu na sua versão online o mesmo alerta, embora de forma menos completa, no trabalho do repórter Lucas Sampaio, nem isso.

Deu chamadinha para a cheia em Rondônia e 20 vezes mais espaço para o avião da Malásia.

No início da minha carreira, aprendi como o lendário Raul Azêdo, que “um fusca que cai no Canal do Mangue (no centro do Rio) é mais importante que um boeing que cai no Japão.”, um chiste para mostrar como a proximidade com os problemas e a vidado leitor é a régua do jornalismo.

Nos jornais de São Paulo, por cegueira para com o trabalho de seus profissionais ou por cumplicidade política com o PSDB, seus diretores e editores não dão a menor bola para a vida de quem os lê.

Por Fernando Brito, no blog Tijolaço

quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

#economia - Brasil tem 3º maior crescimento econômico do mundo em 2013


O ritmo de crescimento do PIB (produção de bens e serviços da economia) do Brasil somente ficou abaixo dos apresentados por China e Coreia do Sul em 2013 – entre 13 economias que já apresentaram seus resultados, selecionadas pelo IBGE.
O avanço da China, aliás, não é parâmetro para ninguém. Está 5,7 pontos porcentuais acima da média mundial, de 3,0%. É desempenho que eleva muito o índice médio. Todos os demais países ficam abaixo dessa linha.
A Coreia do Sul conseguiu resultado bem próximo disso, com 2,8% de expansão. O crescimento da economia brasileira no último ano, de 2,3%, está imediatamente acima dos 1,9% de variação dos PIBs de África do Sul, Estados Unidos e Reino Unido.
A economia brasileira cresceu 2,3% em 2013. Em 2012, o crescimento tinha sido de 1%; em 2011, de 2,7%; e em 2010, de 7,5%.
Somente no quarto trimestre, o crescimento econômico foi de 0,7% em relação ao trimestre anterior, puxado pelo setor de serviços (0,7%); a agropecuária não cresceu, e a indústria encolheu 0,2%. Em relação ao mesmo período de 2012, o crescimento do país foi de 1,9%.
O Produto Interno Bruto (PIB) referente ao quarto trimestre e ao ano de 2013 foi divulgado nesta quinta-feira (27) pelo IBGE (Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística).

Consumo das famílias sobe pelo 10º ano seguido

A despesa de consumo das famílias cresceu 2,3% em 2013. Foi o 10º ano consecutivo de crescimento desse indicador.

Segundo o IBGE, esse comportamento foi favorecido no ano passado pelo aumento dos salários e da oferta de crédito.Em valores correntes, o PIB alcançou R$ 4,84 trilhões em 2013. O PIB per capita alcançou R$ 24.065, uma alta de 1,4% em relação a 2012. 
 
Dados do IBGE

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Farsa de que haveria tratamento igual para denúncias iguais contra PT e PSDB durou muito mas acabou

 
Com a renúncia ao mandato de deputado federal, prevista para ser anunciada oficialmente a qualquer momento, Eduardo Azeredo vai escapar do julgamento no STF e garante transferência automática para a primeira instância. 
É o fim da farsa de que a Justiça iria dar tratamento igual para denúncias iguais. 
Eduardo Azeredo passa a ter direito, agora, a um duplo grau de jurisdição, em Belo Horizonte. Mas, na capital mineira, o processo sequer terminou a fase inicial.   
As testemunhas não foram ouvidas, a defesa não apresentou suas alegações nem o Ministério Público apresentou a denúncia. 
E quando tudo isso for feito, quem for condenado terá direito a segunda instância. Quando isso vai acontecer? Ninguém sabe.
Mas todo mundo sabe, por exemplo, que o mensalão PSDB-MG chegou ao STF dois anos antes do que a denúncia contra os petistas.  
A renúncia de Azeredo destrói uma ilusão. Impede que se salvem as aparências. É o absurdo jurídico na forma de fratura exposta.  
Mas há responsabilidades por isso. Não é “o sistema.” 
Em agosto de 2012 o STF negou, por 9 votos a 2, que os réus da AP 470 tivessem direito ao desmembramento. Meses antes, os ministros asseguraram o desmembramento aos réus do mensalão PSDB-MG. 
A desigualdade nos direitos dos réus foi definida ali e era só uma questão de tempo que mostrasse sua utilidade.
Dois pesos, dois mensalões, escreveu Janio de Freitas, na época. No mesmo dia, há dois anos, alertei que esse tratamento desigual teria um efeito duradouro sobre o julgamento. 
Claro que teve. Garantiu a impunidade de alguns e a pena máxima, agravada artificialmente,  de outros. 
Quem dizia que o STF estava punindo “poderosos “, que isso “nunca fora feito antes” pode cancelar o baile e pedir o dinheiro dos ingressos de volta. 
Essa visão foi coberta de ridículo pela decisão de Azeredo. O deputado federal não está errado. Fez aquilo que os juízes disseram que poderia fazer. Quem vai condenar? 
A outra face da AP 470 foi escrita agora, com todas as letras. 
Ao verificar que não era possível livrar-se de uma denúncia e que corria o risco de ser condenado a 22 anos, Azeredo caiu fora. 
Estava autorizado a fazer isso pela decisão do STF.  
Se este critério tivesse sido aplicado na AP 470, José Dirceu, Delúbio Soares, Henrique Pizzolato e outros 30 réus sequer teriam passado pelo STF. Estariam na primeira instância. E, se resolvessem seguir o exemplo de Azeredo, Genoíno, João Paulo Cunha e outros parlamentares só precisavam renunciar para ter acesso aos mesmos direitos.
A História da AP 470 teria sido outra. 
Com a renúncia, Eduardo Azeredo dá adeus a Joaquim Barbosa, a Gilmar Mendes e outros leões do “maior julgamento da história.” 
Para os ministros, vai ser um alívio, tenho certeza.   
Uma coisa foi aplicar a Teoria do Domínio do Fato contra Dirceu, Genoíno e Delúbio, sob aplauso dos meios de comunicação. Ali era possível falar em “flexibilidade “ das provas, em condenar réus enquanto se mantinha, em caráter sigiloso, documentos e testemunhas que poderiam ser úteis em sua defesa. 
Outra coisa seria encontrar atalhos equivalentes para condenar Eduardo Azeredo com o mesmo rigor.
Não que não houvesse provas para isso. Havia, e até mais robustas que as provas da AP 470. Se você acredita que era um caso regional, mineiro, saiba que é um conto do vigário. Quando a vida de Marcos Valério e outros publicitários do esquema ficou difícil, em Minas Gerais, por causa da oposição do governador Itamar Franco, suas agências se mudaram para Brasília. Ganharam contratos no Banco do Brasil, no Ministério dos Esportes. Mobilizaram verbas milionárias do Visanet. Tudo como se faria depois, no governo Lula. Mas agora, era o governo Fernando Henrique.
Os diretores do Banco do Brasil eram os mesmos. Até o responsável pelos pagamentos a Visanet, nomeado pelo PSDB, permaneceu no posto quando o governo mudou. Como Azeredo, ele também escapou, deixando toda a culpa para Henrique Pizzolato. Não foi sequer indiciado.
Mas imagine um réu do PSDB sendo acusado de corrupção, em 2014, quando o julgamento poderia tornar-se uma pedra no discurso ético de Aécio Neves? 
Quem iria chamar tucano de mensaleiro, estimulando atitudes agressivas, de tipo fascista, contra Azeredo?  
Nada disso, meus amigos. 
A farsa acabou. 
De minha parte, acho até que durou muito.


 Por Paulo Moreira Leite

O PRESIDENTE DE TODOS OS BRASILEIROS

O PRESIDENTE DE TODOS OS BRASILEIROS

FALA LULA !

"Sei que tenho apenas o diploma primário e o curso do Senai, mas, ao analisar os conhecimentos dos últimos presidentes, sinto-me superior a eles, porque tenho um diploma que eles não têm: o da compreensão dos problemas sociais"

"A vitória dos Silvas no Brasil vai criar um processo semelhante ao que ocorreu na África do Sul, onde a maioria da população é negra e elegeu o Mandela."
Em 2002, então candidato do PT/PL à Presidência.

"Cheguei à Presidência para fazer as coisas que precisavam ser feitas e que muitos presidentes antes de mim foram covardes e não tiveram coragem de fazer." Eleito presidente em 2002.

"O Brasil vai precisar de uma pessoa que não tem diploma para consertar a universidade brasileira."

Em agosto de 2002

"Com ódio ou sem ódio, eles vão ter que me engolir outra vez, porque o povo vai querer." Sobre a possibilidade de se candidatar à reeleição para um segundo mandato.

"Queria dizer ao presidente Wade e ao povo do Senegal e da África que não tenho nenhuma responsabilidade com o que aconteceu no século 18, nos séculos 16 e 17. Mas penso que é uma boa política dizer ao povo do Senegal e ao povo da África: perdão pelo que fizemos aos negros." Em 2005, durante discurso na Casa dos Escravos, em Dacar, capital do Senegal.

"Na hora em que o pobre conquista um milímetro de espaço, ele incomoda, mesmo que não tenha tirado um milímetro de espaço dos ricos, mas eles ficam incomodados." Em 2005, em cerimônia de sanção do Prouni (Programa Universidade para Todos) no Palácio do Planalto.

- Não é blog oficial do PT -